Thiago Amud

Release

Thiago Amud é compositor, arranjador, cantor e violonista.

Além de assinar letra e música da maior parte de suas composições, é também parceiro de artistas como Guinga, Francis Hime, Sergio Assad, Clarice Assad, Edu Kneip, Zé Paulo Becker, Pedro Sá Moraes, Thiago Thiago de Mello, Brisa Marques, Thomas Saboga, Marcelo Fedrá, Mauro Aguiar, Renato Frazão, Vinícius Castro, Antônio Loureiro e Rodrigo Zaidan.

Já foi gravado por, entre outros, Milton Nascimento, Alcione, Simone Guimarães, Guinga, Francis Hime, Marcus Tardelli, Ana Carolina e Sergio Mendes, Mariana Baltar, Cristina Renzetti, Garganta Profunda, Izabel Padovani.

Gravou o CD Sacradança, lançado em 2010 pela Delira Música, em que assina todas as letras, músicas e arranjos. O CD foi considerado um dos melhores do ano pela Gazeta do Paraná, e suscitou comentários como os do crítico Tárik de Souza (“Thiago Amud já debuta com personalidade autoral formada”) e do cantor Aquiles, do MPB-4 (“Surpreendente é a sua música. Admirável é o seu desprendimento”).

Em novembro de 2013, Thiago Amud lançou no festival Levada Oi Futuro seu segundo disco solo De ponta a ponta tudo é praia-palma, também pela Delira Música, com produção de Jr Tostoi. Composto por 12 novas composições (11 suas e uma em parceria com Edu Kneip), pode-se definir esse disco como uma visão vertiginosa e onírica sobre a formação do Brasil, a crise de identidade nacional e o tão propalado “fim da canção”.

O trabalho chamou a atenção de parte significativa da crítica, chegando a render no jornal O Globo a matéria de capa do Segundo Caderno  (“Resposta a Pero Vaz”, 2/12/2013) e a cotação máxima (na mesma data, num texto que culmina com a recomendação entusiástica “Tem que ouvir, já.”). Finalmente, no mesmo jornal, o álbum entrou na lista dos 10 melhores de 2013 (no dia 29/12/2013).

Já dividiu com Guinga diversos shows. Aliás, o consagrado compositor disse que considera seu parceiro Amud “um verdadeiro gênio da música brasileira” em matéria de Luis Felipe Reis inteiramente dedicada a Amud, do dia 22 de março de 2009 (“Villa-Lobos encontra Glauber na Urca”, do Jornal do Brasil).

Outro grande artista que voltou a ele sua atenção  foi Caetano Veloso, que, indagado no jornal EL PAÍS se “falta ousadia na MPB hoje”,  respondeu, entre outras coisas que “(…)você encontra um Thiago Amud, que tem atitude vanguardista culta e excelente tratamento técnico”. (EL PAÍS, 25/02/2014). Em outras ocasiões Caetano já citara o trabalho de Amud.

Em 2007, assinou a direção musical do show de lançamento do CD Flor de pão, de Simone Guimarães.

Em artigo na Revista Cult de outubro de 2010, Tárik de Souza cita o nome de Thiago Amud como um dos representantes “de uma nova fornada de ambiciosos criadores desapegados da política de resultados do mercado”.

Foi arranjador e diretor musical do CD Quadro, do compositor Fernando Vilela. Sobre esse disco, o crítico Antônio Carlos Miguel afirmou que ”há ecos da MPB dos anos 1960 e 70, algo da liberdade estilística de Milton e seu abrangente Clube da Esquina, avanços na trilha do Jobim villa-lobiano,  mas passando ao largo da cópia, numa música contemporânea que tem identidade.” (http://g1.globo.com/musica/blog/antonio-carlos-miguel/post/novos-lancamentos.html)

Em 2012 foi um dos participantes do Som Brasil Festivais, na Rede Globo. Interpretou Domingo no Parque (Gilberto Gil), Eu quero é botar meu bloco na rua (Sergio Sampaio) e Filho Maravilha (Jorge Ben), esta última em dueto com Maria Alcina. Os arranjos eram seus. Eis o link para uma das canções: http://globotv.globo.com/rede-globo/som-brasil/v/domingo-no-parque-thiago-amud/2116893/

Foi o convidado especial da banda mineira Graveola e o Lixo Polifônico nos festivais Conexão BH (em junho de 2013) e Conexão Rio (em agosto de 2013).

É membro do Coletivo Chama, ao lado de outros sete artistas. Este coletivo produz o “Rádio Chama”, programa semanal da Rádio Roquette Pinto, no qual, além de um novíssimo repertório de MPB, as mais diversas formas musicais (da música erudita ao rock progressivo, da música folclórica ao free jazz) são articuladas em redor de vários eixos temáticos. Neste endereço todas as edições do programa são armazenadas: https://soundcloud.com/coletivo-chama

Em janeiro de 2014, a série de shows dos artistas do Coletivo Chama no SOB’s (em Nova Iorque) rendeu a matéria “Taking Brazil’s Rhythms and Stretching Them Out – ‘Brazilian Explorative Music’, a Concert of Experimentation”, escrita por Jon Pareles, em que Amud era classificado como “um radical clandestino”: http://www.nytimes.com/2014/01/17/arts/music/brazilian-explorative-music-a-concert-of-experimentation.html?_r=0

Ao longo de 2014 os artistas do Coletivo Chama viajaram pelo Brasil, apresentando em capitais como Brasília, Salvador e Curitiba (além do próprio Rio de Janeiro) os ciclos de shows Nascente e Foz e Transversais do Tempo. Vale ressaltar que os shows de Thiago Amud no Nascente e Foz contaram com a participação das atrizes Alessandra Maestrini (no Rio), Clarice Niskier (em Salvador) e Elisa Lucinda (em Curitiba), sempre homenageando o poeta Jorge de Lima.

O compositor também realizou, em agosto, uma série de shows solo no circuito do Banco do Nordeste, na Paraíba e no Ceará.

A convite do Museu de Arte Murilo Mendes, Amud preparou um show especial para o seminário “Murilo Mendes: o poeta revisitado”, em setembro de 2014 Em outubro do mesmo ano, ao lado de Pedro Sá Moraes, apresentou na Caixa Cultural de Fortaleza o concerto didático Poemúsica, voltado para público do ensino médio. Foram seis apresentações.

Foi um dos participantes da 4ª edição da Mostra Cantautores, realizada em dezembro de 2014 em Belo Horizonte. A participação nessa mostra rendeu a Amud destaque na matéria “Uma mostra aberta a novas experiências” de Lauro Lisboa Garcia, no Estado de São Paulo (17/12/2014).

Em janeiro de 2015, mais uma vez com o Coletivo Chama, Amud viajou a Nova Iorque, onde se apresentou na tradicional casa de shows Le Poisson Rouge.

A convite de JR Tostoi, escreveu o arranjo de sopros para a introdução da canção “Simples Assim”, do CD Carbono de Lenine.

Apresentou no Centro Cultural Justiça Federal a série de shows THIAGO AMUD CONVIDA, onde recebeu Leila Pinheiro, Guinga, JR Tostoi, Ilessi, Mariana Baltar e o duo Eco.

Foi convidado especial de Leila Pinheiro no show de lançamento de seu EP “Por onde eu for”, no Teatro NET Rio.

Dividiu com Ivo Senra a direção musical e os arranjos de “Todo mundo é bom”, disco-manifesto do Coletivo Chama, e também do espetáculo “Coletivo Chama Canta Mário de Andrade”, especialmente preparado a partir de um convite da Funarte para a XXI Bienal de Música Brasileira Contemporânea (na Sala Cecília Meirelles).